30 1Quando Raquel viu que não dava filhos a Jacó, teve inveja de sua irmã. Por isso disse a Jacó: “Dê-me filhos ou morrerei!”   2Jacó ficou irritado e disse: “Por acaso estou no lugar de Deus, que a impediu de ter fi­lhos?”   3Então ela respondeu: “Aqui está Bila, minha serva. Deite-se com ela, para que tenha filhos em meu lugar[V] e por meio dela eu também possa formar família”.   4Por isso ela deu a Jacó sua serva Bila por mulher. Ele deitou-se com ela, 5Bila engravidou e deu-lhe um filho. 6Então Raquel disse: “Deus me fez justiça, ouviu o meu clamor e deu-me um fi­lho”. Por isso deu-lhe o nome de Dã.   7Bila, serva de Raquel, engravidou nova­mente e deu a Jacó o segundo filho. 8Então disse Raquel: “Tive grande luta com minha irmã e ven­ci”. Pelo que o chamou Naftali.   9Quando Lia viu que tinha parado de ter filhos, tomou sua serva Zilpa e a deu a Jacó por mulher. 10Zilpa, serva de Lia, deu a Jacó um filho. 11Então disse Lia: “Que grande sorte!”[W] Por isso o chamou Gade.   12Zilpa, serva de Lia, deu a Jacó mais um filho. 13Então Lia exclamou: “Como sou feliz! As mulheres dirão que sou feliz”. Por isso lhe deu o nome de Aser.   14Durante a colheita do trigo, Rúben saiu ao campo, encontrou algumas mandrágoras[X] e as trouxe a Lia, sua mãe. Então Raquel disse a Lia: “Dê-me algumas mandrágoras do seu filho”.   15Mas ela respondeu: “Não lhe foi suficien­te tomar de mim o marido? Vai tomar também as mandrá­goras que o meu filho trouxe?” Então disse Raquel: “Jacó se deitará com você esta noite, em troca das mandrá­goras trazidas pelo seu filho”.   16Quando Jacó chegou do campo naquela tarde, Lia saiu ao seu encontro e lhe disse: “Ho­je você me possuirá, pois eu comprei esse direito com as man­drágoras do meu filho”. E naquela noite ele se deitou com ela.   17Deus ouviu Lia, e ela engravidou e deu a Jacó o quinto filho. 18Disse Lia: “Deus me recompensou por ter dado a minha serva ao meu marido”. Por isso deu-lhe o nome de Issacar.   19Lia engravidou de novo e deu a Jacó o sexto fi­lho. 20Disse Lia: “Deus presenteou-me com uma dá­diva preciosa. Agora meu marido me tratará melhor[Y]; afinal já lhe dei seis fi­lhos”. Por isso deu-lhe o nome de Zebulom.   21Algum tempo depois, ela deu à luz uma menina a quem chamou Diná.   22Então Deus lembrou-se de Raquel. Deus ouviu o seu clamor e a tornou fértil. 23Ela engra­vidou, deu à luz um filho e disse: “Deus tirou de mim a minha humilhação”. 24Deu-lhe o nome de José e disse: “Que o Senhor me a­crescen­te ainda outro filho”.   A Riqueza de Jacó 25Depois que Raquel deu à luz José, Jacó disse a Labão: “Deixe-me voltar para a minha terra natal.   26Dê-me as minhas mulheres, pelas quais o servi, e os meus filhos, e partirei. Você bem sabe quanto trabalhei para você”.   27Mas Labão lhe disse: “Se mereço sua consideração, peço-lhe que fique. Por meio de adivinhação descobri que o Senhor me abenço­ou por sua causa”. 28E acrescentou: “Diga o seu salário, e eu lhe pagarei”.   29Jacó lhe respondeu: “Você sabe quan­to trabalhei para você e como os seus rebanhos cresceram sob os meus cuidados. 30O pouco que você possuía antes da minha chegada au­mentou muito, pois o Senhor o abençoou depois que vim para cá. Contudo, quando farei algo em favor da minha pró­pria família?”   31Então Labão perguntou: “Que você quer que eu lhe dê?” “Não me dê coisa algu­ma”, res­pondeu Jacó. “Voltarei a cuidar dos seus reba­nhos se você concordar com o seguinte: 32hoje passarei por todos os seus rebanhos e tirarei do meio deles todas as ovelhas salpicadas e pinta­das, todos os cordeiros pretos e todas as cabras pintadas e salpicadas. Eles serão o meu salário. 33E a minha honestidade dará testemunho de mim no futuro, toda vez que você resolver veri­ficar o meu salário. ­Se estiver em meu poder alguma cabra que não seja salpicada ou pintada, e algum cordeiro que não seja preto, poderá considerá-los roubados.”   34E disse Labão: “De acordo. Seja como você disse”. 35Na­quele mesmo dia, Labão sepa­rou todos os bodes que tinham listras[Z] ou man­chas bran­cas, todas as cabras que tinham pintas ou manchas bran­cas e todos os cordeiros pretos e os pôs aos cuidados de seus fi­lhos. 36Afastou-se então de Jacó, à distância equiva­lente a três dias de viagem, e Jacó continuou a apas­centar o resto dos rebanhos de Labão.   37Jacó pegou galhos verdes de estoraque, amendoeira e plátano e neles fez listras bran­cas, descascando-os parcialmente e expondo assim a parte branca interna dos galhos. 38De­pois fixou os galhos des­cascados junto aos bebedouros, na frente dos rebanhos, no lugar onde costumavam ­beber água. Na época do cio, os rebanhos vi­nham beber e 39se acasa­lavam diante dos galhos. E geravam filhotes listrados, salpicados e pinta­dos. 40Ja­có separava os filhotes do rebanho dos demais, e fazia com que esses ficassem juntos dos animais listrados e pretos de Labão. Assim foi formando o seu próprio rebanho que separou do de Labão. 41Toda vez que as fêmeas mais fortes esta­vam no cio, Jacó colocava os galhos nos bebedouros, em frente dos animais, para que se acasalassem perto dos galhos; 42mas, se os animais eram fracos, não os colocava ali. Desse modo, os animais fracos ficavam para Labão e os mais fortes para Jacó. 43Assim o homem ficou extremamente rico, tornando-se dono de grandes rebanhos e de servos e servas, came­los e jumentos.  
Can i read the Bible on my phone/tablet?
Selected Verses